Área externa exige objetos resistentes às ações da chuva e do sol

Cerâmica, fibras, madeira, pedras: para a área externa da casa, a dica é deixar o ambiente o mais natural possível. Vegetação em formato de jardim vertical, iluminação baixa e materiais brutos, resistentes ao sol e à água, são algumas das apostas de profissionais para enfatizar o conforto e o bem-estar no local.

A arquiteta Bianca Moreno acredita em investir no colorido. “A varanda acaba ficando com liberdade maior para usar cor, fugir de tons neutros como bege e cinza”, explica.

A designer de interiores Luciana Bittencourt concorda: “Na área externa cabem móveis mais despojados, modernos e leves”. Para o espaço de piscina que decorou em parceria com Marcos Rolim e Camila Mariana, da Haifatto, escolheu móveis da Tidelli – loja baiana especializada em móveis para decoração externa –, estampas e o verde “greenery”, escolhido pela Pantene como a cor do ano de 2017.

Anapaula Andrade, franqueada da Saccaro em Salvador – marca também especializada em móveis externos –, lembra, ainda, da importância da durabilidade do material selecionado. “Não basta só beleza, porque fica exposto ao clima: sol, chuva, frio. Fibra e madeira tratada são tendências e estão na moda”, diz.

O que evitar

Para a arquiteta Bruna Dória, da Laje Arquitetura, o vidro deve ser evitado. “Em Salvador tem muito salitre, fuligem, vai deixar o vidro sujo”, diz. Já a arquiteta Jéssica Araújo pontua que, caso o vidro quebre dentro de uma piscina, o custo de esvaziar é alto.

Bianca ressalta que a laca também não é recomendável. “Ela não dura na área externa. Se for um espaço coberto, tudo bem, se não for, não dá”, diz. Para garantir a manutenção dos móveis, lixa, cera e resina, além de lonas ou capas para sofás e cadeiras, são grandes aliadas.

Ela aposta em decorações de cerâmica. “É legal colocar menos ornamentos. A rede, por exemplo, é bem cultural aqui na Bahia e é ótima, porque é bem resistente e de fácil limpeza”, diz Bianca.

A vegetação é uma aposta das profissionais para decorar o ambiente externo. As plantas podem ficar em vasos ou em formato de jardim vertical, com irrigação própria. “O verde serve para dar vida ao ambiente”, opina Luciana.

Jéssica acredita que a área externa deve ser sinônimo de bem-estar, apostando nas sensações que o ambiente pode trazer.

“Se tiver uma área gourmet, por exemplo, que tem tudo a ver com a parte externa, entra o paladar. Dá para colocar uma fonte, que envolve a audição e ajuda a trazer paz. Nas paredes, pode vir uma textura de pedra”, ilustra.

A parede de pedra foi a escolha de Luciana e da Haifatto para a área da piscina. “É uma pedra portuguesa, muito usada em calçadas, que, além de bonita, é barata”, diz.

Outra tendência utilizada foi a decoração com temas náuticos: os barcos e os pufes com corda náutica estão em alta. A designer sugere, ainda, o pergolato – estrutura em madeira de eucalipto – para cobrir o lado de fora.

No fundo da piscina, Jéssica recomenda colocar uma pedra natural, apostando nas variações de tons de azul e verde para criar uma semelhança com rio ou mar.

A arquiteta ressalta ainda a iluminação de penumbra: “Colocar lanternas no chão, nos cantos, dá um ar retrô e de refúgio, torna mais aconchegante”, diz.

*Sob supervisão da editora Cassandra Barteló

Fonte: atarde.uol.com.br

2017-09-26T17:20:13+00:00 setembro 26th, 2017|